Santificaivos.org

O Evangelho como me foi revelado

A Ressurreição.

A Ressurreição.

 

1 de Abril de 1945.

Revejo a alegre e poderosa Ressurreição de Cristo.

Na horta há um profundo silêncio e um brilho da orvalhada. Sobre ela, o céu vai-se tornando da cor de uma safira cada vez mais clara, depois de ter deixado o seu azul escuro bordado pelas estrelas que, durante a noite inteira, ficaram vigiando o mundo. A aurora empurra do Oriente para o Ocidente estas partes ainda escuras, do modo como fazem as ondas, durante o tempo de uma maré alta, que parece ir sempre mais adiante, cobrindo a praia escura, e substituindo o cinzento escuro na areia e dos escolhos pelo azul da água do mar.

Algumas estrelinhas não querem morrer ainda, e ficam olhando, cada vez mais fracas, por baixo da onda de luz branca esverdeada da aurora, de uma cor leitosa esfumada de cinzento, como o dos ramos das oliveiras sonolentas, que fazem uma coroa ao redor daquela colina pouco distante. Depois ela vai para o fundo, submersa pela onda da aurora, como um ponto da terra, que a água submerge. E fica uma delas de menos... Depois é outra que fica de menos, e outra, e outra mais o céu perde assim os seus rebanhos de estrelas, e somente lá ao longe, no extremo ocidente, há três, depois duas, depois só uma, que são as que restaram para ficar olhando aquele prodígio que acontece cada dia que é o surgir da aurora.

E eis que, senão quando, um fio cor de rosa traça uma linha sobre a seda cor de turquesa do céu oriental, e um suspiro do vento para por cima das copas das árvores e por sobre as ervas, como que dizendo: "Despertai! O dia ressurgiu." Mas, mal ele desperta, os ramos e as ervas estremecem por baixo dos seus diamantes de orvalho, e levam um leve esbarro, dado pelas gotas que caem. Os passarinhos ainda não despertaram por entre os ramos frondosos de um cipreste muito alto, que parece dominar, como um senhor em seu reino, mas não no enredado entrelaçamento de uma sebe de loureiros, que fazem um anteparo contra o vento do Norte.

Os guardas, já enjoados, com muito frio e cheios de sono, estão guardando, em diferentes horários, o Sepulcro, cuja porta de pedra foi reforçada em sua beirada com uma grossa camada de argamassa de cal, como se fosse um contraforte sobre a brancura opca, do qual aparecem rosas de cera vermelha, diretamente firmadas na argamassa fresca, com o selo do Templo.

Os guardas devem ter acendido um pequeno fogo durante a noite, porque ainda se vê a cinza e alguns tições mal queimados no chão. E eles devem ter jogado e comido, pois ainda se vêem restos de comida e pequenos ossos limpos, que certamente foram usados para algum jogo, como o nosso dominó, ou o jogo de que os meninos gostam, o dos dados, que eles jogaram sobre um velho tabuleiro riscado no chão da estrada. Depois eles se cansaram e deixaram tudo como estava, para irem procurar algum canto mais ou menos cômodo para dormirem ou para vigiarem.

No céu, como esta agora do lado oriente, formou-se uma faixa toda rosada, que pouco a pouco vai crescendo no céu sereno aonde por enquanto não chegou nenhum raio do sol, aparece, vindo de profundezas desconhecidas, um meteoro muito brilhante, que vem descendo, como uma bola de fogo de um esplendor insuportável, acompanhada por uma faixa rutilante, que talvez não seja outra senão a lembrança do seu fulgor em nossa retina. Ela vem descendo, em grande velocidade, para a Terra. espalhando uma luz tão intensa, fantasmagórica e amedrontadora em sua beleza, que a faixa rosada desaparece em sua beleza, superada por sua incandescência branca.

Os guardas levantam a cabeça, espantados, também porque junto com aquela luz, ouve-se um estrondo muito forte, mas cheio de harmonia, solene, que enche por si mesmo todo o mundo. Ele vem das profundezas do Paraíso. É o aleluia, o glória dos Anjos que acompanha o espírito de Cristo, que volta em sua carne gloriosa.

O meteoro desce sobre o inútil fechamento do sepulcro, o desfaz, o enterra, e fulmina de terror e com fragor os guardas lá colocados, como carcereiros do Dono do Universo, produzindo, com aquela sua volta sobre a Terra, um novo terremoto, como o havia produzido ao sair da terra, este Espírito do Senhor. Ele entra no sepulcro escuro, que fica todo claro por aquela luz indescritível, e enquanto ela continua no ar, imóvel, o Espírito se infunde de novo no Corpo imóvel, que esta sob as bandagens fúnebres.

Tudo isso faz, não em um minuto, mas numa fração de minuto, tanto o aparecimento, como a descida, a penetração e o desaparecimento da Luz de Deus, tudo muito rápido. 

E o "quero" do Espírito Divino dito à sua fria carne não produziu nenhum som. Ele foi dito pela Essência à material imóvel. Mas nenhuma palavra foi percebida por ouvido humano. A Carne recebe a ordem, e obedece a Ele com uma profunda respiração. Durante um minuto, nada mais apareceu.

Por baixo do Sudário e do Lençol, a Carne gloriosa se recompõe em uma beleza divina, desperta do sono da morte, e volta do 'nada' em que estava, e torna a viver, depois de ter estado nova. Certamente o coração desperta, e da a primeira batida, empurra para dentro das veias o sangue gelado que ainda existe, e, de repente cria dele a medida total para as artérias esvaziadas nos pulmões imóveis, no cérebro escurecido, e faz voltar o calor, a saúde, a força e o pensamento.

Mais um instante e eis que se faz um movimento repentino por baixo do pesado lençol. É tão repentino o movimento, que, do momento em que Ele move as mãos cruzadas até o momento em que Ele, imponente, aparece em pé, Ele se mostra esplêndido em sua veste de uma substância imaterial, sobrenaturalmente belo e majestoso, com uma gravidade que o muda e eleva, e até deixando-o, e nossos olhos mal teriam tempo de fitá-lo para contar seus passos de um ponto para outro. Agora, o admira. Está tão diferente de tudo o que nossa mente possa esperar ver. Ele está tão bem arrumado, que nele não se vêem feridas nem sangue, mas somente uma luz fulgurante, que sai a jorros das cinco chagas e emana de todos os poros de sua epiderme.

Quando Ele dá o primeiro passo - e nesse movimento os raios escapam das Mãos e dos Pés, e forma-se sobre Ele uma auréola em forma de lâminas luminosas, desde a Cabeça coroada com uma grinalda, feita com as inúmeras pequenas feridas da coroa, mas que não soltam mais sangue, mas apenas um fulgor, até na orla do hábito, quando Ele, abrindo os braços que estavam cruzados sobre o peito, descobre a área de uma luminosidade vivíssima, que provém da veste, acendendo-a como um sol, à altura do coração - então, realmente é a Luz que tomou um corpo. 

Não é a pobre lus desta Terra, não é a pobre luz dos astros, não é a pobre luz do Sol. Mas é a Luz de Deus: todo o fulgor do Paraíso, que se reúne em um só Ser, e lhe doa os seus azuis,inconcebíveis para nossas pupilas angelicais como veste e colorido, e tudo o que existe de indescritível por meio de palavras humanas, o supereminente ardor da Santíssima Trindade que anula, com o seu poder ardente, todo o fogo do Paraíso, absorvendo-o em Si, para gerá-lo de novo em cada um dos momentos do Tempo eterno, Coração do Céu, que atrai e espalha o seu sangue, as inumeráveis gotas do seu sangue incorpóreo: os bem-aventurados, os Anjos, tudo o que há no Paraíso: o amor de Deus, o amor a Deus, tudo isso é a luz que existe, que forma o Cristo Ressuscitado.

Quando Ele se move de um lugar para outro, indo no rumo da saída, e os olhos podem ver para lá dos seus fulgores, eis que umas luminosidades belíssimas, mas parecidas a estrelas, sem comparação com o sol, aparece-me uma de lá e outra de cá, prostradas em adoração ao seu Deus, que vai passando envolvido em sua luz, tornando a todos felizes com o seu sorriso, e quando sai, abandonando aquela gruta fúnebre, e tornando a pisar na terra, que desperta cheia de alegria, e brilha, toda ele, em suas orvalhadas, sobre as cores das ervas e dos roseirais, nas inúmeras corolas do mel, que se abrem, por um prodígio, ao primeiro raio de sol que as beija, o Sol eterno pelo meio delas vai passando.

Os guardas lá estão fora de si... As forças, corrompidas do homem não vêem a Deus, enquanto que as flores do universo - as flores, as ervas, os pássaros - admiram e veneram o Poderoso que passa num nimbo de luz própria e em um nimbo de luz solar.

O seu sorriso, o olhar que pousa sobre as flores, as ramagens, que se erguem para o céu sereno, aumentam em tudo sua beleza. As mais macias e esfumadas flores de um sedoso roseiral, são milhões de pétalas que formam uma espuma florida sobre a cabeça do Vencedor. E os mais vívidos são os diamantes das orvalhadas, e mais azul é o céu, que a de os seus olhos pungentes, e festivo esta o sol, que pincela com traços de alegria uma nuvenzinha transportada por um vento leve, que vem beijar o seu Rei com fragrâncias raptadas aos jardins e com carícias de pétalas sedosas. 

Jesus levanta a mão e abençoa, e depois, enquanto mais forte estão cantando os passarinhos e o vento traz perfumes, desaparece de minha vista, deixando-me numa alegria, que cancela até a mais leve lembrança de tristezas e sofrimentos e dúvidas sobre o dia de amanhã...

 

(Excertos do Décimo Livro: O Evangelho como me foi revelado, onde Nosso Senhor e Maria Santíssima revelam Suas Vidas a Grande Mística Maria Valtorta, das paginas 217 a 220.)